Preço justo - parte I

_ Com esses novos estádios, agora chamados de arenas, os preços foram parar lá nas alturas. Os clubes só pensam nos próprios interesses e colocar gente rica nos estádios para gastarem mais. Eu não queria nada demais, apenas que cobrassem o preço justo.

_ Preço justo é um mito. Não existe isso, existe caro e barato, existe o preço que você está disposto a pagar e o que não está disposto a pagar. Simples assim.

_ Por que não? Por que não existe preço justo? Você gosta de dizer isso, mas sinceramente não entendo o que quer dizer.

_ Quando uma questão está confusa é porque precisamos remover as camadas de ilusões para chegar na verdade. Podemos abordar a questão por dois ângulos diferentes, o do preço e da justiça.

_ Tratemos da justiça.

_  Pois bem, parece-me que justiça consiste em fazer o que é certo ao outro, ou seja, em distribuir de acordo com o merecimento. Fizemos que alguém fez algo injusto quando ele não procedeu corretamente com outra pessoa. Por exemplo, deixou de reconhecer o mérito de outra pessoa ou mesmo assumiu para si esse mérito.

_ Até aqui, parece razoável.

_ O que significa que um ato para ser julgado quanto à sua justiça deve ser voluntário e consciente. A pessoa não deve ser obrigada a exercer a ação por outro. Não se pode dizer que alguém que entrega um dinheiro que deveria guardar sob a ameaça de uma arma foi injusta. O mesmo pode-se dizer de uma pessoa que não tem consciência do que está fazendo, que desconhece as implicações dos seus atos.

_ A própria lei leva em conta o que a pessoa sabia ao praticar um ato.

_ Exato. Pode-se dizer que um preço é um ato?

_ De maneira nenhuma.

_ Pois como pode-se aplicar o conceito de justiça ao preço?

_ Parece que tem um ponto, mas por vezes aplicamos o conceito de justiça para algum resultado, como por exemplo um julgamento.

_ No caso do resultado, aplicamos o conceito de justiça considerando que trata-se do resultado de uma soma de ações humanas, talvez de forma desapropriada. Veja o caso de dizer que uma guerra é justa. Na verdade queremos dizer que a decisão que levaram os líderes de um país a entrar em guerra foi justa e não a guerra em si. No caso do julgamento, consideramos que um resultado foi injusto quando não corresponde ao resultado que imaginávamos. Mas isso não é justiça. Este resultado é fruto de uma série de ações e decisões, como a atuação das partes e a deliberação de um juiz ou juri. São estes entes concretos que ao agir colocam-se como objeto de uma avaliação quanto à justiça do seu ato. Retomando à questão do preço justo. O que você entende por preço justo?

_ Aquele que não corresponde ao que deveria ser.

_ É a mesma situação do julgamento. Você está comparando um resultado, o preço, com um que imagina ideal. Não vê a dificuldade?

_ Não está sendo semântico?

_ Mas o que é a semântica além do uso apropriado dos conceitos? Quando você diz que existe um preço ideal, que preço seria este? 

_ O preço certo para mim.

_ Exato. E como uma empresa poderia saber este preço? Como ela poderia chegar em um valor se cada pessoa tem a sua noção particular do que seja preço?

_ Reconheço a dificuldade. Mas 100 reais por um ingresso é um absurdo! 

_ Certamente, mas dizer que um preço é caro é diferente de dizer que injusto. E certamente não é caro para todos pois muitos se dispõe a pagá-lo. Inclusive os estádios tem estado mais cheios com este preço do que antes da reforma com preços menores. 

_ Então voltemos ao ponto que falou das ações voluntárias. Talvez esteja certo ao dizer que ao preço não pode ser aplicado a questão da justiça, mas ao ato de fixá-lo não poderia? Não se trata de um ato voluntário e consciente de um empresário colocar o preço no seu produto?

_ Evidente. O empresário tem a liberdade para cobrar o que quiser do seu produto.

_ Pois então. Reformulo meu ponto para te deixar feliz. O ato do empresário em fixar o preço de um ingresso a cem reais foi injusto!

_ A formulação agora está correta e pode ser analisada. Falta só seu complemento.

_ Como assim?

_ Todo ato para ser analisado quanto à sua justiça diz respeito a alguém. Só se é justo em relação a outra pessoa. A fixação do preço em cem reais é injusto em relação a quem?

_ Ao público, claro. 

_ Todo ele?

_ Não todo, obviamente, tem gente disposto a pagar. Mas é injusto particularmente aos que não podem mais pagar para ver o jogo.

_ Posso então colocar a questão na seguinte forma geral: o ato de se fixar um preço acima do que seria razoável para as pessoas pagarem consiste em um ato injusto?

_ Pode.

_ Neste caso agora temos que necessariamente analisar o que seja preço.



u© MARCOS JUNIOR 2013