Diário musical: 2007

Minha lista das músicas que representam 2007 para mim. Como sempre, a maioria pertence aos anos 60 e 70, mas tem coisas mais recentes também.


All Right Now - Free

Este ano o Free esteve muito presente. Quando estive em Curitiba, gravei um video antigo com a banda tocando ao vivo. Esta música continua sendo um dos maiores riffs do rock'n'roll, e muito se deve à batida de Simon Kirke.


It Makes No Difference - The Band

Esta música já é uma das minhas prediletas. Tudo é perfeito aqui, a voz de Danko, as linhas de baixo, o solo de Robbie, o sax de Hudson. Escolhi a versão do Last Waltz porque este filme é simplesmente maravilhoso. E a entrada de Hudson ao final é arrebatadora.


What Is Life - Geoge Harrison

Do primeiro disco de Harrison, gosto particularmente do que era o primeiro disco (o disco saiu triplo). Neste ano, em que muito refleti, o título e a letra desta música já dizem muito: o que é a vida?


I Don't Want to Know (If You don't Want Me) - The Donnas

Energia pura. E letras ácidas que mostram que as mulheres também gostam de farrear.


Wait Until Tomorrow - Jimi Hendrix Experience

Foi difícil escolher uma música de Axis: Bold as Love, um disco que escutei e curti de ponta a ponta neste 2007. É o tipo da escolha que você se arrepende no minuto que fez ao pensar nas que ficaram de fora. Para mim, o melhor disco de Hendrix em toda sua curta carreira.


I Walk the Line - Johnny Cash

Nunca tinha escutado Cash, gostei. São lamentos, canções com muita alma.


Dance Tonight - Paul McCartney

Paul continua vivo, e nos brinda com esta pérola. A música evolui do bandolim ao rock mais tradicional, em uma seqüência bastante inspirada.


Cavern - Phish

Não há como definir esta banda dos anos 90 que foi totalmente despercebida no Brasil. Só cheguei a eles pela participação de Gordon no disco do Mule. A mistura de ritmos e estilos é fantástica. E olha que não costumo gostar deste tipo de mistura, mas no caso do Phish abro uma excessão. Ficou sensacional.


One - Ringo

Cada vez vejo como subestimei o baterista dos Beatles. Seus discos são muito legais, rock clássico, sempre com participações para lá de especiais. Vida longa ao Ringo!


Send Me a Postcard - Shocking Blue

Poderosa. Esta é a melhor definição que encontrei para os vocais de Mariska. Esta banda holandesa, anos 70, não fez sucesso por aqui. Apenas uma música é razoavelmente conhecida, incluída em algumas coletâneas da época. É uma pena, o som deles é muito bom mesmo.


She Knows - Thin Lizzy

Phill Lynnott e sua banda não poderia ficar de fora. Esta foi uma companheira constante no ipod.


Lookin'Out For No 1 - UFO

Classic Rock de primeira com Michael Schenker e cia.


25 or 6 to 4 - Chicago.

Confesso que sempre achei que o Chicago fosse uma banda mais pop, mais de baladas. Que nada, trata-se de uma banda de rock das boas. Esta música tem um solo de guitarra maravilhoso.


Walk Away - The James Gang Band

Este ano escutei muito esta banda, principalmente no início do ano. Joe Walsh é um gênio! Composições inspiradíssimas, um trabalho de guitarra fantástico. Um power trio que não teve o sucesso que merecia.


Ramblin' Man - The Allman Brothers Band

Escutei tanto os irmãos Allman que foi difícil escolher uma música. Descobri que os albuns dos anos 90 foram excelentes, e na dúvida entre os três discos da época acabei optando por um quarto, o primeiro album pós-Duane. Dickey Bets me conquistou com este contry rock, um registro raro seu nos vocais. O ritmo é contagiante, o solo sublime.


Banks Of The Deep End - Gov't Mule

Escutei tanto o Mule no primeiro semestre que considerei impossível que não pegasse meu primeiro lugar este ano. O disco tributo a Allen Woody é uma das maravilhas do mundo moderno do rock, e esta é a música símbolo do album.


The Weight - The Band

Pois é, mas fui assistir ao Last Waltz no meio do ano... e 90% do que escutei a partir daí foi da Banda. Nem tem como explicar, é paixão mesmo, uma destas ocasiões que você tem a certeza que o rock foi uma boa escolhar para musicar sua vida. Termino minha lista com um obrigado a Robbie, Rick, Hudson, Manuel e Helm por terem deixado um legado musical tão intenso como fizeram em apenas 7 anos. E The Weight é simplesmente mágica! Houve ocasiões em que escutei esta música 4 ou 5 vezes em seguida, além de tê-la tocado no violão outras tantas. É uma experiência espiritual, impossível de explicar.

u© MARCOS JUNIOR 2013